Social Icons

Redação nota mil no ENEM



No curso preparatório para o ENEM, da Tutorial Estudos, os alunos construíram um texto NOTA 1000 com base em alguns temas que possivelmente cairão no exame de 2014. 




O texto abaixo partiu de um tema polêmico: "Estamos chegando ao fim do preconceito racial?".

Os próprios estudantes do curso questionaram o aparecimento do tema no ENEM por ser muito polêmico. Eles apostam em temas menos polêmicos socialmente e que não estejam nos holofotes da mídia, o que não nos impediu de trabalhá-los em aula, uma vez que os temas do ENEM sempre surpreendem!

Construído de forma estudada, pesquisada e discutida em aula, o texto apresenta um caráter "idealista" por tratar de questões que envolvem princípios, valores e ética, tão solicitados no ENEM.

A estudante fez uma introdução que bem apresenta o tema e a tese - defendida no decorrer do texto. Os argumentos, baseados em princípios e práticas sociais, reforçam o ponto de vista defendido, conduzindo a uma proposta de intervenção que inove a dinâmica social. Vamos ao texto:


O preconceito e a ética

O preconceito está diminuindo gradativamente, entretanto, não acabou. Com o passar do tempo e com as mudanças ocorridas na sociedade o trouxemos culturalmente, passando assim de geração em geração, não deixando que ele acabe. A prática do preconceito é algo imoral e a sociedade está cada vez mais atenta ao problema.

A ética é algo variável e ser preconceituoso atualmente vai contra os princípios éticos sociais. Uma pessoa pode querer atingir alguém com atos preconceituosos, mas não deve, afinal preconceito é crime e uma prática imoral, sendo uma atitude criminosa e quem a pratica deve ser punido e arcar com as consequências dos seus atos.

Com a finalidade de criar uma ética universal e igualar todos os indivíduos, em 1948 foi feita Declaração dos Direitos Humanos. Dessa maneira, todos, sem exceção, possuem os mesmos direitos, independentemente de sua cor, raça, classe social ou etnia. Entretanto, mesmo com essa igualdade constitucional ainda existem indivíduos arrogantes que se acham melhores, não entendem que para que alcançar o sucesso é desnecessário diminuir o outro.

Casos de preconceito são frequentemente exibidos na mídia, como, por exemplo, na novela “Carrossel”, que retratou o preconceito para com o menino negro, ou até mesmo em ‘’Amor à vida’’, exibida no horário nobre da Rede Globo, em que homossexuais foram vítimas de preconceito. Tal fato nos leva a fazer uma conexão com a realidade, em que casos de preconceito ocorrem constantemente e são veiculados sempre, como o do goleiro Aranha, chamado de macaco durante uma partida.

Contudo, não podemos continuar com essa cultura do preconceito, afinal, de acordo com o Artigo Quinto da Constituição de 1988, todos são iguais perante a lei e além disso o preconceito é crime sem fiança. Precisamos fiscalizar as punições relativas a essas leis e iniciar medidas de conscientização desde a base escolar, valorizando a miscigenação, a cultura afro e ensinando as crianças a conviverem com as diferenças desde cedo.


Autora do texto: Carol Lima



Comentários de Marilisa Cardoso