Social Icons

Gêneros do discurso



A socialização e a comunicação são inerentes ao ser humano. Os gêneros do discurso fazem parte desses processos. Vamos ao gênero textual de hoje?


Olá, estudantes de vestibulares e ENEM!


Na proposta de hoje, vamos estudar os diferentes gêneros textuais e entendê-los na prática. Segundo BAKHTIN (1992: p.301-302):

" Para falar ou escrever, utilizamo-nos sempre dos gêneros do discurso, em outras palavras, todos os nossos enunciados dispõem de uma forma padrão e relativamente estável de estruturação de um todo. Possuímos um rico repertório dos gêneros dos discursos orais (e escritos). Na prática, podemos usá-los com destreza, mas podemos ignorar totalmente sua teoria."
(BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.)

Quando interagimos com outras pessoas por meio da linguagem, seja a linguagem oral, seja a linguagem escrita, produzimos certos tipos de texto que, muitas vezes, repetem no tipo de conteúdo, no tipo de linguagem e na estrutura. Esses tipos de textos constituem os chamados gênero do discurso ou gêneros textuais e foram historicamente criados pelo ser humano a fim de atender a determinadas necessidades de interação verbal.


Os gêneros discursivos geralmente estão ligados a esferas de circulação, por exemplo, jornalística, divulgação científica, publicitária, literária, entre outras. São como agrupamentos textuais ligados a uma dessas esferas. Exemplo: jornalística - notícia, reportagem, editorial, entrevista.


Vamos ler diferentes gêneros textuais?

Leia os textos abaixo tentando perceber as diferenças e a semelhança entre eles.

Texto I

As Mãos do Meu Pai

As tuas mãos tem grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já cor de terra
— como são belas as tuas mãos —
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
na nobre cólera dos justos...

Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,

essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam
nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas...

Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,

vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah, Como os fizeste arder, fulgir,
com o milagre das tuas mãos.

E é, ainda, a vida

que transfigura das tuas mãos nodosas...
essa chama de vida — que transcende a própria vida...
e que os Anjos, um dia, chamarão de alma...

(Mario Quintana)



Texto II




 Texto III


















Texto IV
pai
sm (lat patre) 1 Homem que gerou um ou mais filhos em relação a estes; genitor; homem colocado no primeiro grau da linha ascendente de parentesco. 2 Animal macho que gerou outro. 3 Benfeitor, protetor. 4 Criador, fundador.
Fonte: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/definicao
Os textos são bastante diferentes entre si, pois foram produzidos em situações diversas, com finalidades específicas. Apesar disso, todos eles têm algo em comum. Qual é a semelhança entre eles?
Acertou se respondeu que todos apresentam o mesmo tema: pai.
Quando falamos em contexto de produção, todos apresentam finalidades diferentes:
Texto 1: poema - linguagem subjetiva, sentimentos em relação ao pai.
Texto 2: história em quadrinhos: promove humor abordando uma relação conflituosa entre pai e filho.
Texto 3: anúncio publicitário: quer persuadir alguém a comprar um produto.
Texto 4: verbete de dicionário: expõe conhecimentos, conhecimentos historicamente construídos.

Concluindo

Estudar e pesquisar os gêneros discursivos na prática é fundamental, pois garante ao estudante um conhecimento que acabará sendo internalizado e aprendido de fato. Melhor que memorizar ou decorar quais os tipos e estruturas dos gêneros é saber identificá-los na prática por conhecimento de causa!

Ler diferentes gêneros discursivos é conhecer diferentes gêneros discursivos. Eles estão presentes em livros, revistas, jornais, folhetos, enfim, basta procurá-los que irá encontrar!

Para saber mais

Abrangendo o tema, temos outras formas de gêneros orais e escritos na escola, conforme abaixo.
Gêneros Orais e Escritos na Escola


Domínios sociais de comunicação
Aspectos tipológicos
Capacidade de linguagem dominante
Exemplo de gêneros orais e escritos
Cultura Literária Ficcional
Narrar
Mimeses de ação através da criação da intriga no domínio do verossímil
[Conto Maravilhoso], Conto de Fadas, fábula, lenda, narrativa de aventura, narrativa de ficção cientifica, narrativa de enigma, narrativa mítica, sketch ou história engraçada, biografia romanceada, romance, romance histórico, novela fantástica, conto, crônica literária, adivinha, piada
Documentação e memorização das ações humanas
Relatar
Representação pelo discurso de experiências vividas, situadas no tempo
Relato de experiência vivida, relato de viagem, diário íntimo, testemunho, anedota ou caso, autobiografia, curriculum vitae, noticia, reportagem, crônica social, crônica esportiva, histórico, relato histórico, ensaio ou perfil biográfico, biografia.
Discussão de problemas sociais controversos
Argumentar
Sustentação, refutação e negociação de tomadas de posição
Textos de opinião, diálogo argumentativo, carta de leitor, carta de solicitação, deliberação informal, debate regrado, assembleia, discurso de defesa (advocacia), discurso de acusação (advocacia), resenha crítica, artigos de opinião ou assinados, editorial, ensaio.
Transmissão e construção de saberes

Expor

Apresentação textual de diferentes formas dos saberes

Texto expositivo, exposição oral, seminário, conferência, comunicação oral, palestra, entrevista de especialista, verbete, artigo enciclopédico, texto explicativo, tomada de notas, resumo de textos expositivos e explicativos, resenha, relatório científico, relatório oral de experiência.
Instruções e prescrições
Descrever ações
Instruir
Regulação mútua de comportamentos
Instruções de montagem, receita, regulamento, regras de jogo, instruções de uso, comandos diversos, textos prescritivos.

Fonte: SCHNEUWLY, Bernard e DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado das letras, 2004.


Marilisa Cardoso Bernardi